terça-feira, 18 de junho de 2024

Sob o olhar do Padre Paulo, exposição fotográfica resgata a Barbalha das décadas de 1960 e 1990

Com fotografias que resgatam a história do cotidiano barbalhense das décadas de 1960 a 1990, a exposição “Barbalha sob o olhar de padre Paulo”, de Débora Carlos, pode ser visitada pelo público no Casarão da Cultura, localizado na Rua da Matriz, centro de Barbalha. As imagens de outrora ficarão em exibição até o próximo dia 31 de julho, podendo ser visitadas de segunda a sexta-feira das 8h às 17h.

A exposição conta com 60 fotografias, de autoria do Padre Paulo de Sá Gurgel, conhecido como o Padre Fotógrafo. “Ele [Padre Paulo] foi o maior fotógrafo que Barbalha já teve pela sensibilidade que tinha no ato de registrar o nosso passado. Se hoje temos a oportunidade de conhecer a Barbalha dos anos de 1960 e 70 é graças ao Padre Paulo”, afirmou Débora Carlos, pesquisadora e proponente do projeto.

Desde 2013 que Débora se debruça sobre fatos e fotos da cidade barbalhense. A pesquisadora chegou ao acervo do sacerdote graças a uma curiosidade sobre a história da Igreja do Rosário. “Em uma das minhas pesquisas me deparei com uma fotografia da Igreja do Rosário que me despertou muita curiosidade. Li alguns livros, mas não encontrei muitas informações. Sabia da existência das imagens do Padre Paulo e percebi ali uma fonte de pesquisa. Nesse processo, descobri que o acervo estava guardado na Matriz de Santo Antônio. E foi lá onde todo esse projeto começou a ganhar vida”, explicou Débora.

De acordo com a pesquisadora, cerca de 10 mil negativos fazem parte do acervo do ‘Padre Fotógrafo’. “O acervo de Padre Paulo não poderia estar escondido. Ele preparou tudo, organizou detalhadamente o seu acervo, com legendas, datas, para presentear a atual e as futuras gerações. Eu me sentia na obrigação de fazer com que essas fotografias chegassem até as pessoas”, contou Débora.

Entre as imagens selecionadas estão registros de festas tradicionais, como o Pau da Bandeira, arquitetura e patrimônio histórico. Além de eventos do cotidiano, como feiras, educação escolar e experimentações estéticas que o fotógrafo realizava como as duplicações dos seus autorretratos.

Acessibilidade

‌A exposição “Barbalha sob o olhar de padre Paulo” promove acessibilidade para pessoas com deficiência visual, por meio de audiodescrição e textos em braile. O material permanecerá disponível no local, com os textos da exposição, convertidos para o braile, e áudio descrição, disponibilizado através de Qr-code

‌A Exposição Barbalha – Sob o Olhar de Padre Paulo tem o apoio do XII Edital Ceará de Incentivo às Artes-Fotografia, da Secretaria de Cultura do Estado do Ceará, e conta com o apoio de instituições como Corrupio Povo Cariri, Paróquia Santo Antônio, Colégio Santo Antônio, CCBNB Nordeste e Secretaria de Cultura e Turismo de Barbalha.

‌O Padre Fotógrafo

‌Natural de Ipaumirim, no Ceará, Paulo de Sá Gurgel chegou a Barbalha no ano de 1962, aos 42 anos com a missão de ser diretor do Colégio Santo Antônio, função que exerceu até 1999. “O Padre Paulo era um homem múltiplo. Além de educador e religioso, como fotógrafo observou com olhar de jornalista, registrando episódios, e como artista, criando ora atmosferas nostálgicas, ora lúdicas. Inventivo, também praticava experiências estéticos, como seus autorretratos duplicados, presentes na exposição”, disse a Curadora Adriana Botelho.

‌Pilotando sua motocicleta com a sua máquina fotográfica, que ganhou de um pai de um ex-aluno do Colégio Divino Salvador em Jundiaí (SP), o sacerdote produziu um rico acervo de imagens documentais da cidade de Barbalha das décadas de 1960 a 1990.

‌“Podemos perceber a importância desses registros, quando nos deparamos com fotografias  de ruas que compõem o Centro Histórico. É assustador ver que nos restam poucos prédios históricos em pé. Além disso, o acervo do Padre Paulo contempla as pessoas que contribuíram para a construção da história da nossa cidade, como lavadeiras, quebradeiras de coco, engomadeiras, parteiras, professoras. Enfim, através das suas fotografias podemos ter referências desse passado”, ressaltou Débora Carlos.

‌O Padre fotógrafo descansou em 03 de setembro de 2009. No dia do seu funeral, realizado na Igreja da Matriz de Santo Antônio, o município decretou ponto facultativo.

Outros Posts