domingo, 16 de junho de 2024

Indústria contará com R$ 105 milhões e 27 centros de pesquisa para investir em inovações sustentáveis

Para estimular o desenvolvimento de tecnologias sustentáveis e processos mais limpos na indústria nacional, a Empresa Brasileira de Inovação Industrial (EMBRAPII) encampa uma série de ações de estímulo à inovação em bioeconomia. Entre as estratégias estão: a nova Rede MCTI/EMBRAPII de Inovação em Bioeconomia, o fomento Basic Funding Alliance (BFA) para projetos disruptivos na área e iniciativas alinhadas ao Plano Nacional de Fertilizantes. O total de recursos reservados ultrapassa os R$ 100 milhões.

A proposta é estimular a atividade de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) em biotecnologia; sustentabilidade, novos biocombustíveis, fármacos e biofármacos; economia circular; agricultura; fertilizantes e adubos, entre outros.

O diretor-presidente da EMBRAPII, José Luis Gordon, explica que a Rede tem como foco principal ajudar as empresas do setor a serem mais inovadoras e a conseguirem chegar com seus produtos no mercado com maior competitividade e produtividade. “A EMBRAPII pretende expandir a sua atuação ajudando o setor produtivo na agenda de bioeconomia: ligada à sustentabilidade, ao setor agro, na área de saúde, em novos materiais. Onde a bioeconomia estiver sendo envolvida, as 27 Unidades EMBRAPII credenciadas para atividades afins vão poder atender os setores empresariais. É uma rede onde vai ter uma série de fluxos de conhecimento acontecendo e sendo o grande locus para discussão de inovação e bioeconomia no país”, ressalta.

Como o modelo de atuação da EMBRAPII prevê o coinvestimento do setor empresarial, estima-se que as ações na área de bioeconomia e sustentabilidade gerem mais de R$ 200 milhões em inovações. Somam-se aos recursos da EMBRAPII os valores da contrapartida das empresas e o recurso não-financeiro das Unidades EMBRAPII – como uso de equipamentos e pagamento de hora-homem de profissionais e pesquisadores envolvidos nos projetos.

Recurso e ecossistema para a indústria inovar

A Rede MCTI/EMBRAPII de Inovação em Bioeconomia vai oferecer à indústria R$ 40 milhões em recursos não reembolsáveis e um ecossistema de inovação com competências tecnológicas complementares. São 27 centros de pesquisas com infraestrutura e profissionais qualificados, as chamadas Unidades EMBRAPII (UEs), para apoio ao desenvolvimento de inovações industriais.

Empresas de todos os portes podem acessar recursos não reembolsáveis. O modelo tradicional da EMBRAPII garante até 1/3 do valor do projeto. No entanto, alianças empresariais, startups, pequenas empresas, arranjos cooperativos e empresas sediadas na região Norte têm linhas diferenciadas de fomento, que aumentam o percentual pago com recursos não reembolsáveis.

R$ 20 milhões em Basic Funding Alliance (BFA)

A Rede também representa a possibilidade de desenvolvimento de novas competências tecnológicas em áreas de fronteira, a partir da biodiversidade nacional e da biotecnologia. Do seu orçamento, R$20 milhões serão reservados para Basic Funding Alliance (BFA), linha de fomento específica para o desenvolvimento de novas rotas tecnológicas.

O BFA promove inovação aberta, por meio da aliança entre empresas, startups e Unidades EMBRAPII. Por ter mais riscos envolvidos, os aportes financeiros da EMBRAPII podem ser significativamente maiores do que em outras modalidades de fomento – chegando a 90% dos custos dos projetos.

Atualmente, há cinco projetos BFA em andamento na EMBRAPII, que somam R$ 25,5 milhões, dos quais dois são na área de Transformação Digital, envolvendo sustentabilidade ambiental.

R$ 20 milhões para inovações na indústria de fertilizantes

A EMBRAPII vai anunciar uma ação estratégica para apoio a projetos de inovação, com objetivos alinhados ao Plano Nacional de Fertilizantes (PNF), iniciativa do Governo Federal focada na redução da importação de insumos pela cadeia produtiva do agronegócio nacional.

Serão R$ 20 milhões destinados para o desenvolvimento de soluções que modernizem o processo produtivo, assim como frentes para o desenvolvimento de bioinsumos, fontes alternativas de fertilizantes, nanomateriais, organominerais, entre outros.

Parceria com o BNDES

A EMBRAPII mantém com Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) acordo que destina R$ 65 milhões a projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) em temas relacionados à sustentabilidade: bioeconomia florestal, novos biocombustíveis, economia circular. A parceria é uma das fontes de recursos da Rede.

Em seu primeiro mandato, a Rede contará com a presidência da Unidade EMBRAPII Instituto Senai de Inovação em Biossintéticos e Fibras. A liderança do Comitê Técnico de Bioeconomia Industrial ficará a cargo da UE CNPEM, o de Bioeconomia da Biodiversidade, com a UE AGROTEC/UFMS e o de Desenvolvimento de Ecossistemas, com a UE DEF/UFV.

O Conselho Consultivo da Rede será integrado pelas associações empresariais ABBI, ABIHPEC, ABIQUIM, ABIFINA, ABIQUIFI, ABNC, ANBIOTEC, UNICA, UBRABIO e IBÁ.

Sobre a Bioeconomia

O Brasil possui a maior diversidade genética vegetal do mundo. Segundo o estudo ‘Bioeconomia Brasileira em Números’, publicado em 2018 pelo BNDES, são 42.730 espécies vegetais distribuídas em seus diferentes biomas. O setor movimenta anualmente US$ 285,9 bilhões, o que representa 13,8% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

A EMBRAPII já apoiou 339 projetos de PD&I voltados para a bioeconomia, beneficiando 341 empresas e movimentando R$ 376 milhões. São projetos de formulações a partir de óleos amazônicos, genótipos para indústria florestal, biorremediação de solos, polímeros biodegradáveis, utilização de resíduos, compósitos com bambu, biodigestores, cosméticos, biodefensivos, soluções enzimáticas, entre outros.

Outros Posts